Wednesday, October 11, 2017

ISLÂNDIA (DIA 7 e 8) - ÞINGVELLIR NATIONAL PARK, GULLFOSS, GEYSIR E OBSERVAÇÃO DE BALEIAS

 AMSTERDAM - REYKJAVIK - VÍK - HÖFN - MÝVATN - AKUREYRI - REYKJAVIK - ÞINGVELLIR - REYKJAVIK - AMSTERDAM

Baleia corcunda que avistámos perto de Reykjavik

Para o último dia da nossa aventura na Islândia reservamos a visita à área mais famosa (e também mais turística) do país, percorrendo o percurso apelidado de Circulo Dourado.

O percurso tem este nome porque envolve um zona do país onde algumas das mais bonitas maravilhas da Islândia estão concentradas relativamente perto umas das outras, nomeadamente o Parque Nacional de Þingvellir, a cascata Gullfoss, e o Geyser.

Paisagem ao longo do Circulo Dourado, Islândia

Esta é também a rota mais popular entre os turistas que visitam o país, dada a sua proximidade a Reykjavik.

Paisagem ao longo do Circulo Dourado, Islândia

Paisagem ao longo do Circulo Dourado, Islândia

Começámos por isso o dia no Parque Nacional de Þingvellir (também conhecido por Thingvellir, porque o Þ pronuncia-se "Th"), a apenas 40 quilómetros da capital.

Þingvellir National Park, Islândia

Foi aqui que se formou o primeiro parlamento do mundo, o Alþing, criado no ano de 930, em que toda a população islandesa se dirigia aqui para discutir as leis do país.

Este era um evento anual, e que se repetiu por séculos até 1798, altura em que o parlamento - que ainda hoje se chama Alþing - se mudou para Reykjavik.

Þingvellir National Park, Islândia

Þingvellir National Park, Islândia

Local onde se realizava o AlÞing, no Þingvellir National Park, Islândia

Para além da óbvia importância histórica deste local para a Islândia, o Parque Nacional de Þingvellir é também um local de grande beleza natural, já que o desfiladeiro que atravessa o parque é na verdade a falha tectónica que separa as placas da Europa e da América.

E enquanto visitávamos o parque nacional, demos de caras com nada mais nada menos que o próprio Presidente da Islândia!

Þingvellir National Park, Islândia

Þingvellir National Park, Islândia

Viajámos depois por mais alguns quilómetros até chegar à "Cascata Dourada", a Gullfoss.

Gullfoss, Islândia

Alimentada pelo rio Hvitá, proveniente do glaciar Langjökull, esta cascata de 32 metros é de uma beleza impressionante, e apesar de não ser a maior, é sem dúvida das mais bonitas!

Gullfoss, Islândia

Gullfoss, Islândia

Gullfoss, Islândia

Gullfoss, Islândia

Em dias claros é mesmo possível ver o glaciar de Langjökull desde o topo da cascata.

La ao fundo o manto branco do glaciar de Langjökull, junto à cascata de Gulfoss, Islândia

Para terminar depois a manhã em beleza, saímos da cascata em direcção à zona dos Geysirs. No entanto, e como esta zona é famosa também pela abundância de um tipo de cavalos chamados "Cavalos Islandeses", parámos junto a uma quinta para ver de perto estes lindos animais.

Cavalos Islandeses, junto a Geysir

Cavalos Islandeses, junto a Geysir

Depois, por fim, chegámos então à área do famoso Geysir.

Strokkur, o geysir que entra em actividade a cada 5/7 minutos, em Geysir, na Islândia

Este é o local daquele que é "o Geysir", o que deu o nome que hoje usamos para descrever este fenómeno natural espectacular.

Porém, hoje em dia é extremamente raro haver qualquer actividade no Geysir (o original). Em vez disso, o interesse maior na área está no vizinho Strokkur, que fielmente a cada 5 ou 7 minutos entra em acção, lançando água que pode atingir uns impressionantes 30 metros de altura!

Geysir Strokkur a entrar em actividade, em Geysir, Islândia

Geysir Strokkur, em Geysir, Islândia

Local do Geysir, o original, que hoje em dia raramente entra em actividade

Foi aqui que também acabámos por almoçar, num dos vários restaurantes existentes no Visitor Center desta zona.

Restaurante Geysir Glima, onde almoçámos, em Geysir

Regressámos depois até Reykjavik, onde nos esperava a experiência que nos faltava na Islândia: observar baleias!!

SpecialTours Whale watching cruise, Reykjavik

Esta é sempre uma jogada arriscada, dado que corremos sempre o risco de não ter sorte e não conseguir ver nenhum animal.

No entanto, com alguma pesquisa pode-se perceber que há alturas melhores e piores para a observação, nomeadamente para avistar as enormes baleias-corcundas (Humpback Whales), e os meses de Verão são mesmo a melhor época para o fazer.

Por isso mesmo decidimos arriscar, e ainda bem que o fizemos porque foi espectacular!

SpecialTours Whale watching cruise, Reykjavik

SpecialTours Whale watching cruise, Reykjavik

Baleia-Corcunda, SpecialTours Whale watching cruise, Reykjavik

Além de golfinhos e das pequeninas baleias anãs, tivemos a sorte de ver várias baleias-corcundas, e algumas de bem perto, passando inclusive por baixo do nosso barco!!

Baleia-Corcunda, SpecialTours Whale watching cruise, Reykjavik

Baleia-Corcunda, SpecialTours Whale watching cruise, Reykjavik

Baleia-Corcunda, SpecialTours Whale watching cruise, Reykjavik

É uma experiência única, e num dia de verão com bom tempo vale a pena arriscar!

Baleias Anãs, SpecialTours Whale watching cruise, Reykjavik

Golfinho, SpecialTours Whale watching cruise, Reykjavik

Andorinha do Ártico, SpecialTours Whale watching cruise, Reykjavik

Whale Watching Reykjavik, by SpecialTours
Preço: 9890 ISK

Depois de nos despedirmos da baía de Reykjavik, demos uma última volta pela capital para dar um passeio de despedida, e jantar tanto os famosos hot-dogs da Islândia (eu) como uma sandes da Lobster Hut (ela), um foodtruck de Lagosta existente em pleno centro de Reykjavik.

Baía de Reykjavik

Lobster Hut, Reykjavik

Baejarins Beztu Pylsur (Hot Dogs), Reykjavik

No regresso ao hotel, já no final do dia, cedemos à gulodice e fomos a uma Dunkin Donuts comer um donut coberto com a bandeira islândesa: a melhor forma de nos despedirmos deste belo país!

Donuts com a bandeira islandesa, para a despedida, no Dunkin Donuts, Reykjavik

Dormimos pela última vez no Lights Hotel Reykjavik, e pela última vez na Islândia.

O nosso percurso no sétimo dia: Reykjavik - Þingvellir National Park - Gullfoss - Geysir - Reykjavik

No dia seguinte fomos direitos ao aeroporto para gastar as últimas coroas islandesas antes de regressar a Amsterdam num voo da Icelandair às 16h15, chegando à Holanda pelas 21h15, dando assim por terminada esta grande aventura.

Gull, a mais famosa cerveja islandesa, a melhor despedida antes de abandonarmos este fantástico país!

Foram 7 dias a explorar um país espectacular, de uma beleza quase inexplicável, e apesar de ser caro (não tanto a viagem, mas sim o custo de vida) não tenho duvidas nenhumas que é uma viagem que vale a pena fazer uma vez na vida!!

Uma curiosidade: durante uma semana inteira não vimos "a noite" uma única vez!

E agora? Agora, olhamos para o mapa e perguntamo-nos: WHERE SHOULD WE GO NOW???


Ultima etapa da viagem, o regresso a Amsterdam

No comments:

Post a Comment

Blog Widget by LinkWithin