Wednesday, September 13, 2017

ISLÂNDIA (DIA 6) - GLAUMBÆR, HRAUNFOSSAR E DEILDARTUNGUHVER

 AMSTERDAM - REYKJAVIK - VÍK - HÖFN - MÝVATN - AKUREYRI - REYKJAVIK - ÞINGVELLIR - REYKJAVIK - AMSTERDAM

No sexto dia da nossa volta pela Islândia regressámos de novo a Reykjavik, mas pela costa Oeste da ilha.

Bandeira da Islândia em Glaumbær

Acordámos bem cedo na fria e gelada Akureyri (estava um gelo na rua, apesar de ser Junho), e fomos comer o pequeno-almoço num pequeno café no jardim botânico da cidade.

Jardim botânico, Akureyri

Saímos depois por entre as montanhas em direcção ao sudoeste do país, até chegar à localidade de Glaumbær.

Museu Etnográfico de Glaumbær

Aqui encontra-se uma das mais bem conservadas quintas feitas de Turfa existentes no país e que estão abertas ao público.

Museu Etnográfico de Glaumbær

Museu Etnográfico de Glaumbær

Na quinta de Glaumbær, construída no século XVIII, podemos visitar os diferentes quartos da casa, com a decoração e objectos usados nessa época, e perceber como funcionava a vida de uma tradicional família de islandeses que trabalhavam no campo.

Museu Etnográfico de Glaumbær

Museu Etnográfico de Glaumbær

Museu Etnográfico de Glaumbær

Glaumbær Old Turf Farm
Preço: 1600 ISK

Seguimos depois por entre as montanhas do fiorde Hrutafjordur, a partir do qual começamos a dirigir-nos para o sul do país atravessando a região de Holtavorduheidi, repleta de lagos e planícies rodeadas de grandes montanhas.

Região de Holtavorduheidi

Região de Holtavorduheidi

Região de Holtavorduheidi

Parámos depois numa localidade no meio do nada chamada Bifrost para almoçar num restaurante do Hotel Bifrost, e seguimos caminho para o sul.

O restaurante Bifrost, onde almoçámos, no meio do nada

Por fim chegámos a Deildartunguhver, a fonte termal mais poderosa da Europa.

Fonte termal de Deildartunguhver

Destas fontes saem cerca de 180 litros por segundo de água a temperaturas que rondam os 100 graus.

Estas fontes são tão fortes que as suas águas são usadas para o aquecimento central das casas de muitas localidades desta zona do país!

Fonte termal de Deildartunguhver

Depois fomos até à zona das casscatas de Hraunfossar, apelidadas de cascatas de lava.

Cascatas de Hraunfossar

Estas cascatas são consequência de um fenómeno natural muito curioso: vários leitos de água que atravessam e fluem por entre o campo de lava de Hallmundarhaun, e que vão depois cair no rio Hvita, resultando numa série de "cascatas" espalhadas ao longo do rio.

Cascatas de Hraunfossar

Cascatas de Hraunfossar

Junto às cascatas de Hraunfossar está também a cascata de Barnafoss, também ela muito bonita.

Cascata de Barnafoss

Cascata de Barnafoss

Cascata de Hraunfossar vistas desde o topo da cascata de Barnafoss

Fomos depois até Reykholt, uma pequena vila que é um importante ponto histórico da Islândia.

Igreja antiga em Reykholt

Foi aqui que viveu e morreu Snorri Sturluson, um dos mais famosos escritores islandeses. Além da bonita igreja, existe também aqui uma piscina construída no século X, sendo das construções mais antigas existentes actualmente na Islândia.

Igreja nova em Reykholt

Piscina construída no século X, em Reykholt

Continuámos depois por fim até Reykjavik, onde ficámos alojados no Reykjavik Lights Hotel by Keahotels, um hotel cujos quartos estão todos inspirados no calendário antigo islandês!

Reykjavik Lights Hotel by Keahotels ***, Reykjavik

Quarto inspirado no antigo calendário islandês, no Reykjavik Lights Hotel by Keahotels, Reykjavik

Em Reykjavik acabámos por jantar num restaurante asiático (bem bom e barato, recomendadíssimo!!) no centro da cidade, chamado Noodle Soup, antes de regressar e descansar, dando por terminado o dia.

Noodle Station, Reykjavik

No dia seguinte fomos explorar o chamado "Golden Circle", a zona mais famosa da Islândia, mas isso fica para uma próxima aplicação!!!


O nosso percurso neste sexto dia: Akureyri - Glaumbaer - Deildartunguhver - Hraunfossar - Reykholt - Reykjavik

No comments:

Post a Comment

Blog Widget by LinkWithin